ensino
 
 
  projetos
 
 
  links
 
 
 
 
 
  proencm
 
 
 
 
 
  email
 
 

 
UNESP
Dep/Físico-Química
 
 


 

 
 
  Existem muitas situações em que uma função depende de uma variável que, por sua vez, depende de outra, e assim por diante. Podemos dizer, por exemplo, que a concentração de monóxido de carbono na atmosfera, de uma determinada cidade, depende da quantidade de carros que trafega por ela, porém a quantidade de carros varia com o tempo. Conseqüentemente, a concentração de monóxido de carbono varia com o tempo.
  Na linguagem de função dizemos que: a concentração de monóxido de carbono na atmosfera é uma função da quantidade de carros, a quantidade de carros é uma função do tempo e, portanto, a concentração de monóxido de carbono na atmosfera é uma função do tempo.

  Dessa maneira, a concentração de monóxido de carbono na atmosfera, como função do tempo, é uma função composta.
  Nessas situações, compondo-se as funções de modo apropriado, podemos expressar a quantidade original como função da última variável.
  Definição: Sejam  e  . Definimos a composta de f com g e denotamos por (lê-se  fbola” g), à função dada por . A função  é então denominada função composta de f com g, aplicada em x .  
 
 
 
Veja aqui, uma animação em Flash para compreender melhor a idéia de função composta.

Veja aqui, como distinguir uma função simples de uma função composta.

Veja aqui, uma animação em Flash com um exemplo de função composta.
 
 
 
 
 

 
 

 

 
 
 
  Esta página não é uma publicação oficial da UNESP.
A responsabilidade por seu conteúdo é exclusivamente da autora.
Responsável pela página: Profa. Dra. Maria Helena S. S. Bizelli